Ansiedade e Medo: gatilhos para a recidiva de peso

Não comemos só pelo instinto fisiológico da fome. Comemos também sempre que sentimos uma emoção específica, por necessidade de conforto, por recompensa, ao que chamamos de “comer emocional”.

 

Esta é uma mudança importante a que se deve prestar atenção no pós-operatório de cirurgia bariátrica, afinal, a comida é parte de sua vida prática e de seu cotidiano e é preciso restabelecer uma relação funcional com ela. Sua relação com a comida precisa tomar contornos saudáveis, tamanha é a importância dos nutrientes para o funcionamento do seu corpo.

 

Leia também: Deficiência de cálcio após a cirurgia bariátrica: causas, sintomas e tratamentos

 

Quando  a ansiedade e o medo surgem, podem funcionar como gatilhos para que você recorra à comida a fim de apaziguar esses sentimentos, e de forma temporária e rápida, essa sensação de preenchimento chega. Com o tempo e a repetição da ação, desenvolvemos hábitos e por isso, na fase do pós-operatório não é tão simples mudá-los, acabaram por se tornar complexos. A principal orientação psicológica no sentido desta mudança envolve o entendimento deste funcionamento e a identificação da dificuldade.

 

Para muitos de nós, a comida funciona como um símbolo que está presente quando nos sentimos felizes, mas também quando nos sentimos inseguros ou ansiosos.  Confrontados com emoções tão recorrentes ao nosso cotidiano estressante, acionamos o “gatilho” da comida para que dispare uma sensação de prazer e sustento, ou seja, tentamos preencher um vazio que nunca é de fato preenchido. Arriscamos com isso o curso saudável de nosso processo de controle da Obesidade.

 

Preste atenção ao local em que você está fazendo uma refeição, muitos “gatilhos” são acionados envolvendo o lugar que você escolhe comer. Defina um lugar tranquilo e apropriado ao ato de se alimentar, evitando locais estressantes, que exijam rapidez no processo e que te pareçam fora de controle.

 

A hora do dia também é uma pista de “gatilhos emocionais” na alimentação. Geralmente o anoitecer e o final das tarefas consideradas estressantes ao longo da sua rotina diárias é o momento em que a fome emocional surge com mais força. Evite ser permissivo ao primeiro impulso, não respondendo ao cansaço ou à irritação com a comida; procure trazer ordem e um ritmo equilibrado para o seu final do dia. Experimente criar novos padrões e hábitos, planejando o resultado que você quer alcançar.

Escolher uma nova forma de se comportar te ajudará a encontrar substitutos para seus gatilhos, lidar com as emoções mesmo aquelas que não forem fáceis, pelo compromisso que você assumiu consigo mesmo e com o novo corpo que você deseja manter.

 

Psicóloga

Loise Ataliba

CRP 05/23397

Ansiedade e Medo: gatilhos para a recidiva de peso