Cirurgia Bariátrica é a Cura para Diabetes Tipo 2?

A cirurgia bariátrica melhora a saúde de quem tem Diabetes Tipo 2, muito além da perda de peso. É isso que determina o parecer do CFM – Conselho Federal de Medicina, publicado no dia 1º de novembro de 2017.

No Diabetes Tipo 2 a insulina produzida e secretada pelas células beta do pâncreas é insuficiente para transportar a glicose do sangue para dentro da células. Em outros casos, ela não consegue desempenhar o papel dela adequadamente.

A cirurgia de perda de peso deixa de ser experimental e passa a ser uma alternativa de tratamento para quem tem tem diabetes tipo 2 e IMC entre 30 Kg/m2 e 34,9 Kg/m2. Anteriormente a cirurgia somente era liberada para quem tinha IMC acima de 35 Kg/m2.
IMC ou Índice de Massa Corpórea é o peso da pessoa em Kg, dividido pela altura em metros, ao quadrado (altura X altura). Entenda com o exemplo abaixo:

Como a cirurgia bariátrica ajuda o no controle dos níveis de glicose no sangue?

O estudo STAMPEDE – Surgical Therapy and Medications Potentially Eradicate Diabetes Efficiently, é o primeiro randomizado feito para analisar resultados de tratamentos cirúrgicos e clínicos do diabetes tipo 2. Os tratamentos cirúrgicos analisados foram as cirurgia bariátrica e metabólica. O estudo foi publicado em fevereiro de 2017 no New England Journal of Medicine. Os resultados mostraram que as cirurgias de redução de peso se mostraram 6 vezes mais eficazes que o tratamento intensivo. A cirurgia é mais benéfica ainda que o tratamento seja associado à medicação, uma alimentação balanceada e atividade física.

O estudo STAMPEDE acompanhou 150 pacientes, durante 5 anos, divididos em 3 grupos distintos:

  • O primeiro grupo foi submetido a tratamentos clínicos de ponta, com aconselhamento, mudanças de estilo de vida e medicamentos;
  • Outro grupo foi submetido a um tratamento que combinou o procedimento de gastrectomia vertical, também conhecido como sleeve. O tratamento (remoção da parte esquerda do estômago e medicamentos), pode levar à perda de até 40% do peso inicial;
  • O terceiro grupo passou um tratamento com associação de gastroplastias com desvio intestinal em by-pass gástrico e medicamentos. Esta é a cirurgia de redução de estômago mais frequente realizada no Brasil. Conhecida como derivação gástrica emY de Roux também é nominada de cirurgia de Fobi-Capella. Nela, o estômago é reduzido a um tamanho de 30 – 40 ml, por meio da utilização de grampeadores cirúrgicos. Em seguida, o estômago reduzido é ligado diretamente ao intestino delgado (jejuno).

Cirugia bariátrica: Resultados

O tratamento do Diabetes tipo 2 visa minimizar o surgimento de complicações ao longo do tempo de diagnóstico. Cerca de 90% das pessoas que desenvolvem diabetes tipo 2, apresentam sobrepeso ou obesidade, sendo assim, a perda de peso é fundamental para melhorar o controle dos níveis de glicose no sangue.

Os resultados mostraram que os grupos cirúrgicos obtiveram um controle glicêmico com perda de peso consistente e redução do uso e medicamentos para diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares. Além disso, mostraram que após cinco anos, os efeitos metabólicos do tratamento cirúrgico se mantêm e são efetivos no tratamento da doença em obesos moderados ou severos.

O diabetes pode causar falência renal, cegueira e amputação de membros. A maioria dos pacientes submetidos ao tratamento cirúrgico combinado aos medicamentos (88%) atingiu e manteve níveis de glicose no sangue aceitáveis.

Mais recentemente, as pesquisas médicas demonstram que a cirurgia de perda de peso também podem afetar diretamente a forma como o corpo usa insulina. Além do benefício de perder diretamente peso e melhoria dos níveis de glicose no sangue, esta cirurgia em si auxilia as pessoas na gestão da diabetes 2 seu tipo. E pode:

  • Mudar a forma como os hormônios agem no intestino, afetando a forma como o corpo produz insulina.
  • Aumentar a quantidade de ácidos biliares que o corpo produz, estes fazem com que as células do corpo fiquem mais sensíveis à insulina.
  • Melhorar a forma como as células utilizam a insulina, conduzindo a níveis mais baixos de glicose no sangue.

Quais são as diferentes versões de cirurgia diabetes tipo 2?

Existem várias formas de cirurgia para obesidade (também conhecidas como cirurgias bariátricas) que podem ser oferecidas. As opções cirúrgicas incluem a remoção de parte do estômago para reduzir seu tamanho e, consequentemente, diminuir o apetite e a ingestão de alimentos. Existem também a cirurgia de desvio do sistema digestivo para ignorar o estômago.

Ambos os tratamentos ajudam as pessoas a reduzir a ingestão de alimentos devido à diminuição da necessidade comida para se sentir saciado. Embora também afetem beneficamente o modo como o corpo utiliza a insulina.

Quem se beneficia com a cirurgia para o diabetes?

Até hoje, a cirurgia deste tipo não tinha sido plenamente reconhecida como um tratamento padrão para o diabetes tipo 2. As diretrizes do CFM – Conselho Federal de Medicinarecomendava que a cirurgia para perda de peso para as pessoas com diabetes tipo 2 atendam a critérios mais rigorosos, incluindo os recém-diagnosticados com diabetes tipo 2 e que apresenta-se IMC igual ou superior 35 Kg/m2.

Com o novo parecer, pacientes diabéticos tipo 2 com menos de 10 anos de diagnóstico e IMC entre 30 Kg/m2 e 34,9 Kg/m2, que não tiveram resposta ao tratamento medicamentoso e mudança de hábitos.

A cirurgia, neste caso, não visa somente a perda de peso, mas beneficia o paciente através das alterações metabólicas, que melhora o funcionamento da insulina, com um melhor controle dos níveis de glicose no sangue, melhora no controle da pressão arterial, nos níveis de colesterol e triglicerídeos. promovendo mais qualidade de vida e aumento da expectativa de vida.

A cirurgia para diabetes tipo 2 não é uma cura permanente. No entanto, estudos mostram que mesmo nas primeiras semanas após a cirurgia, e ainda sem perda de peso significativa, muitos pacientes conseguem controlar os níveis de glicose no sangue, mesmo sem medicamento.

Converse com seu médico para descobrir se você tem o perfil para fazer este tipo de cirurgia e quem sabe, se livrar dos medicamentos para controle do diabetes.

Cirurgia Bariátrica é a Cura para Diabetes Tipo 2?